sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Séries que vi (e gostei) em Janeiro

Estamos em pleno Inverno, e juro, pensei que nesta altura em que fico mais em casa, ia devorar mais séries do que aquelas que vi no passado mês. Mas não, porque também andei entretida com as minhas leituras e a estudar italiano. Para além disso, agora sou assídua de alguns canais do Youtube e confesso que também lá perco umas valentes horas.
Sem esquecer que só vejo séries que considero realmente boas. A vida é muito curta e a oferta muito longa para ver séries assim-assim. Se depois de três episódios não estou nem aí, por muito que elogiem a série, desisto. Por falar nisso, depois vou fazer outro post com séries que gostei muito mas desisti de ver em temporadas mais avançadas. Pode ser que tenha acontecido o mesmo convosco.

Ora aqui estão as três séries que me encheram as medidas em Janeiro e que recomendo, muito:



Fargo. Baseado no filme de 1996, que se tornou um clássico, esta série, até agora com duas temporadas (vai sair uma terceira este ano, com o Ewan McGregor como protagonista) segue a mesma premissa. Se gostam de humor negro, vai tornar-se uma das vossas séries favoritas. Está tão bem escrita e a direcção artística é de "filme que leva óscares". A primeira temporada brinda-nos com um Billy Bob Thornton no seu melhor e um Martin Freeman escolhido a dedo para o papel. A série segue vários acontecimentos numa pequena localidade do Minnesota, e é sempre Inverno. Neve, há muita neve. Portanto ideal para ver nesta altura. Não posso falar mais da série sem dar spoilers por isso vou deixar que a pontuação de 9.0 que tem no IMDb fale por si. Tenho a certeza que se vai tornar uma série de culto.



Happy Valley. Uma série britânica, originalmente da BBC, que não tem senhoras ricas e distintas a beber chá e a discutir assuntos de sociedade (sim isto é uma boca a Downton Abbey), e talvez por isso, pouco conhecida. Uma pena. É tããããão boa. Sim, é uma série de crime. Sim, é uma série dramática. Sim, já vimos isso milhentas vezes. O que é diferente? É um misto. A história, as personagens, o suspense, mas acima de tudo, tem um grande senso de realidade. Passa-se numa pequena cidade do norte de Inglaterra, e o nome da série é irónico. Cruzam-se histórias de criminosos que não tinham intenção de o ser. Personagens complexas que por vezes nos fazem torcer para que os maus da fita não sejam apanhados. Tem duas temporadas, cada uma de seis episódios, e é altamente viciante. Ah, e também tem o James Norton, que apesar de fazer um psicopata (e desempenha-o tão bem, pesadelos), não deixa de ser uma alegria para a vista. Há conversações para uma terceira temporada mas nada oficial. Tem a pontuação de 8.5 no IMDb e, como Fargo, uma forte personagem feminina. Avé.



Peaky Blinders. Esta já não me pôs em modo junkie, e por isso tenho visto a um ritmo bem mais calmo. Só vi ainda a primeira temporada, mas é sem dúvida uma série muito boa. Palmas para o pessoal da caracterização. A série transporta-nos até à cinzentona e super-industrial Birmingham após a Primeira Guerra Mundial. Os homens regressaram marcados pela guerra e dedicam-se agora aos trabalhos fabris e ao tráfico de armas. O comunismo está em crescendo, e o crime também. Amigos de outrora e irmãos de guerra tornam-se rivais. Sim, é pesado. E tal como outras séries de gangsters, segue aquela fórmula de sucesso em que a trama se desenvolve em torno de uma figura central muito carismática, neste caso, o senhor Tommy Shelby, interpretado por esse perfeitíssimo rosto humano com pernas, Cilian Murphy. E ele não é o único homem carismático da série, que também nos brinda com a figura de Winston Churchill. Pontuação de 8.8 no IMDb. Até agora, três temporadas, e diz que vêm aí mais duas.



edit- Menção honrosa


Ministério do Tempo. Esqueci-me de referir que também estou a acompanhar esta série portuguesa da RTP. É giro. E apesar de terem ido roubar a ideia aos espanhóis, acho que estão fazer um trabalho muito bom. Gosto da forma como a série nos aproxima à nossa História e é engraçado ver importantes personagens históricas de diferentes épocas a interagir. E acho um piadão ao Afonso de Noronha que quer andar sempre à porrada. É pena os episódios serem curtinhos. Fico sempre com vontade a mais.




E pronto, é isto. E vocês, que séries me aconselham a mim?


Sem comentários: