quinta-feira, 30 de junho de 2016

Britcom

E agora o Boris Johnson (o homem que convenceu o Reino Unido a sair da Europa) já desistiu da corrida à liderança do partido conservador. Realmente, a comédia britânica é a melhor do mundo.


quarta-feira, 29 de junho de 2016

Wise words, Tyrion, wise words...

"People ask me to believe in things — family, gods, kings, myself. It's often tempting, until I saw where belief gets people. So I said no thank you to belief."

Mais palavras sábias de uma personagem fictícia de um mundo fictício, mas cheias de realidade... e infelizmente, de actualidade.


Quero. Muito.

Há tantas citações do Tyrion Lannister que eu adoro, que dava para encher um armário de t-shirts, mas esta é o must-have! Fica é mais barato mandar imprimir a t-shirt do que encomendar pela net. Já tenho prenda de anos para mim própria.


segunda-feira, 27 de junho de 2016

May you live in interesting times

"Que vivas em tempos interessantes e que encontres o que procuras", é uma antiga maldição chinesa, usada, diz-se, pelos sábios chineses, que acreditavam que a estabilidade dos tempos era o melhor para a evolução do pensamento e da humanidade, ao contrário dos tempos de tribulações, agitação e mudança.
Refiro-me ao Brexit, mas não só. Podemos dizer que a minha geração e a geração mais nova vive e vai viver ainda muito mais em "tempos interessantes", talvez amaldiçoados pelas gerações anteriores, ou por culpa de uma geração que viveu a época dourada de estabilidade na Europa. E se acontecer que ao Brexit, se junte uma vitória de Donald Trump nas presidenciais dos EUA, este será um ano que vai ficar na História, e não pelos melhores motivos. A História, essa, está condenada a repetir-se. Ninguém aprende com ela. No fundo, a base de qualquer maior decisão ou acontecimento, será sempre o racismo e a xenofobia. Desengane-se quem pensa que os que votaram para sair da União Europeia, o fizeram meramente pelo ponto de vista económico. E depois basta ver quem, por esse mundo fora, aplaudiu a decisão.
Agora, no Reino Unido, dizem "estar à espera do momento oportuno" para accionar o artigo 50. Ora aí estão eles a definirem-se a eles próprios da melhor maneira. Uma cambada de oportunistas. A começar pelo senhor Boris Johnson, um dos políticos mais oportunistas que existe, especialista a espetar facas nas costas dentro do próprio partido, e cujo único motivo é chegar ao pelouro (tal como já aconteceu por cá). Ele é o típico inglês que acha que o West End não lhe chega e quer ser estrela de Hollywood. Assim como todos os britânicos que votaram para sair da União Europeia. Eles não querem ser como a Suíça, ou como a Noruega. Eles querem o mundo! Valha-se-lhes! Oh Britannia, may you find what you are looking for.


sábado, 18 de junho de 2016

Mais um dia

Eu disse que ele ia falhar o penálti, e falhou. Eu tenho a teoria que o rapaz deve andar tão cheio de mau olhado que até dói.
O resto foi falta de sorte, mas não estiveram mal, os meninos. Considerando os trepos que foram os jogadores atacantes da Áustria (como é que alguém dizia que eles iam ser uma das revelações?), é deveras frustrante não sair dali com uma vitória. Mais frustrante do que contra a Islândia. Mas enfim,  é Portugal. O que os outros têm de cagões, nós temos de desgraçados.
Hoje irritou-me mais foi ver aqueles adeptos com ar de frete. A claque portuguesa deve ser das piorzinhas destas competições. Cambada de dormentes... Podemos ser desgraçados, mas sejamos felizardos, porra!

#firstworldproblems

Como eu detesto aquela regra dos aeroportos de apenas transportar no máximo dez produtos no saquinho dos líquidos! Irra.


quarta-feira, 15 de junho de 2016

Uma viagem no tempo em azul e branco


Trinta anos. O novo equipamento do meu FCP é uma bela viagem ao grandioso ano de 1987. Só poderia. Como adepta nascida no ano em que conquistaram a Taça dos Campeões Europeus, estou embevecida com a nossa nova camisola. Snif.

E aquele colarinho, ã?
 

Sim sim, Ronaldo, és o maior da tua aldeia

Há dois dias atrás falava com os meus irmãos sobre o Campeonato Europeu de Futebol, a selecção e essas coisas. Eles não são admiradores do Cristiano Ronaldo, e eu também não. Eu disse que adoraria que Portugal ganhasse uma grande competição daqui a uns anos quando o Ronaldo já estivesse reformado. Adoraria mesmo. Porque não agora? Porque nunca seria Portugal a ganhar, seria só o CR7. Eu não sei porque nos calendários de jogo não substituem o nome do país pelo nome do jogador. Ninguém lhe tira a glória de tudo o que ele já alcançou e que é de facto um jogador de qualidade, mas tem espírito de jogador de clubes milionários. Pior de toda a atenção que lhe é dada a nível internacional em detrimento de todos os outros grandes jogadores que temos, é a histeria que vai com ele no próprio país, que devia torcer por Portugal e não por CR7. E depois, por cima disto tudo, uma pessoa ainda vai hoje de manhã a ler as tristes declarações que ele deu ontem à noite, e pensa, este gajo não é um capitão, este gajo é um tumor que não pára de crescer. Eu preferia que Portugal perdesse todos os jogos, que fossem uma equipazinha de merda, mas que fossem uns senhores, dentro e fora de campo. Mas sei lá, se calhar sou um bocado à antiga. Em contrapartida, CR7 vem de uma outra casta portuguesa, daquela casta "sou o maior da minha aldeia", conhecida pelo seu baixo QI e alta propensão em reproduzir-se.

Descubram as diferenças:

 


P.S - Dizem eles por aí que a táctica da equipa de Portugal é "passa a bola ao Ronaldo", bom, a táctica mais próxima disso que vi ontem à noite foi mesmo a do "passa a bola ao Quaresma". Eles sabem.

P.S. 2 - tremam, tremam :P


segunda-feira, 13 de junho de 2016

Não há nada mais bonito do que um arco-íris

O mundo está cheio de gente que só sabe odiar. Odeiam isto e mais aquilo e mais aqueles. Oh pá, todos nós odiamos alguma coisa, alguma vez na vida. Eu, por exemplo, odeio esta gente, que em vez de ficarem a odiar em casa, acham-se no direito de vir odiar para cima dos outros, de tirar vidas a pessoas que mais não fazem senão viver as suas vidas genuinamente. Gente que odeia mata gente que ama. Assim é o ser humano.



sexta-feira, 10 de junho de 2016

As minhas musiquinhas de Verão

Quando oiço estas predilectas, é sempre verão, mesmo na noite mais fria de Inverno!






WHAT THE FUCK

Porque é que a nossa televisão pública (e falo em RTP, Portugal) vai transmitir a "parada dos 90 anos da Rainha Isabel II"?? Who the fuck cares?



Hard in the feels


"They call it the travel bug, but really it’s the effort to return to a place where you are surrounded by people who speak the same language as you. Not English or Spanish or Mandarin or Portuguese, but that language where others know what it’s like to leave, change, grow, experience, learn, then go home again and feel more lost in your hometown then you did in the most foreign place you visited."

Daqui.


domingo, 5 de junho de 2016

Será que desta vez o Verão veio para ficar?

Esperemos que sim. Eu adoro o mês de Junho por causa disto. O Verão é recém-chegado e toda a gente anda contente. Começam-se a beber aqueles refrescos e a comer gelados. Passam-se horas na esplanada. Caminha-se ao final da tarde. As janelas estão sempre abertas. Regressa-se àquelas "tradições" de Verão. Cá em casa, uma delas, é comer Charlotte. Uma sobremesa fria, bastante fácil de fazer que consiste basicamente em palitos de champagne, queijo fresco ou iogurte grego, açúcar (não precisa de muito), e morangos (também é muito bom com ananás), tudo às camadinhas. Vai pelo menos duas horas ao frigorífico et voilà. Um regalo depois da refeição ou ao lanche, e esta foi a primeira deste ano.


"Voa um par de andorinhas, fazendo verão. E vem uma vontade de rasgar velhas cartas, velhos poemas, velhas cartas recebidas. Vontade de mudar de camisa, por fora e por dentro...Vontade...para quê esse pudor de certas palavras?...Vontade de amar, simplesmente."
 Mário Quintana


quarta-feira, 1 de junho de 2016

E é ter o sorriso no olhar

Viver em bem viver é nunca deixar de ser criança. É seguir sempre o instinto. É quer matar a curiosidade. É querer sempre uma nova aventura. É rir das coisas mais simples. É fazer um amigo em cada canto. É acreditar em super-heróis, e que no fim, o bem sempre vence o mal. É olhar para o futuro com olhos de fascínio em vez de medo. É querer ser e fazer mil e uma coisas. É imaginar e criar. É saltar, correr, brincar, gritar. É rebolar na relva, na areia, no pátio. É estar permanentemente encantado. É ser um todo ali e mais nada.

"Deixa-te levar pela criança que foste" - José Saramago