segunda-feira, 20 de maio de 2013

O Verão



Com este título, parece que estou prestes a escrever uma daquelas redacções da escola primária. E é mais-ou-menos isso.
É que daqui a um mês o calendário marca o início do Verão, e com o aproximar do mês de Junho, por todo o lado, no trabalho e entre amigos, falamos dos nossos planos para o Verão. Começa a ser o tema principal de conversa. Toda a gente anda a planear viagens e pirqueniques e passeios aqui e ali.
Eu devo dizer que, completamente oposto ao que sentia o ano passado por esta altura, estou muito ansiosa por este verão. Isto porque há dois anos que não tenho um verão verão, se é que me entendem. Em 2011 estive a trabalhar e a poupar dinheiro para vir para Londres, então não fiz nada de encantador e também não é que estivesse muito preocupada com isso porque outras aventuras me esperavam. O ano passado estive a trabalhar e não saí de Londres e também pouco aproveitei as coisas fantásticas e o espírito de cidra, burguer grelhado e chinela no pé, que invade esta cidade durante os dias mais amenos. O cómico do ano anterior é que os nossos managers não nos deixaram tirar férias durante os jogos olímpicos, porque, diziam eles, o centro ia encher de gente, e era preciso estarmos todos a trabalhar para dar resposta a tanta clientela. Ora toda a gente sabe a anedota em que isto se tornou, porque o centro de Londres ficou mais tedioso que o deserto do Sahara, que ao menos aí, a poeira ainda levanta. Já por aqui, não se ouvia uma mosquinha. Pela rua ou nos tranportes públicos, só ouvia os meus passos. Às vezes até me sentia muito smooth, quando andava no metro e na Oxford Street sem ver ninguém, como se fosse eu a protagonista do I Am The Legend. Lindo foi ver os managers a mandar os funcionários para casa mais cedo todos os dias, e a "panicar" (eu outro dia ouvi alguém usar esta palavra no metro!), sobre como iriam conseguir cumprir as horas contratuais já que simplesmente... não havia nada para fazer! Muitas vezes, depois do trabalho, ia até ao Hyde Park, sentava-me no meu cantinho predilecto (junto às vedações atrás do WC que é um sítio sossegado e prático) e lia o meu livro ou me deitava de barriga p'ra cima a pastelar e a ouvir a minha playlist. Tirando isso, uma jantarada ou festa aqui e ali, os meus meses de Junho, Julho e Agosto foram passados a trabalhar.
Este ano o Inverno foi longo e bem frio, por isso estou com muita vontade ao calor, então decidi esperar um pouco mais e só tirar férias para ir a Portugal em Julho. Eu nunca nutri muita simpatia por Julho. Quando vivia em Portugal era o mês em que mais sofria com o calor. Gostava de Junho... e Agosto até se aguentava, porque à noite já arrefece. Agora Julho... não conseguia dormir porque de noite ainda estão uns 30 graus lá fora, e de dia, só se estava bem dentro de água. Ora, essa é uma das outras razões, quero estar preparada psicologicamente para outro Inverno, então quero fartar-me mesmo de calor, quero torrar, suar, desidratar, até dar por mim a enxovalhar o sol e o verão e ansiar pelo tempo merdoso daqui da ilha.
Mas antes dessas férias "grandes", que são duas semanas (olá vida adulta), vou até ao Mediterrâneo em Junho, e depois de voltar de Portugal, espero andar muito ao arejo e aproveitar bem o mês de Agosto por aqui. Coisas para fazer não faltam!

Sem comentários: