segunda-feira, 22 de abril de 2013

"The grateful insomniac"



Como poderemos considerar as insónias de todo como algo negativo? Tantas obras de arte nascem em noites que se passam de olho aberto. E tantas outras lemos/vemos durante essas horas da madrugada. Tantas ideias no ocorrem. Tantos planos se fazem. Por vezes até se limpa a casa e fazem doces. E o que seria da "Ideia Casa" e restantes televendas sem as insónias? E quem iria ver as novelas repetidas de há dez anos atrás..?

No outro dia li agures que "alguns estudos" concluíram que as pessoas que dormem só entre 5-7 horas por dia, vivem mais que aquelas que dormem mais horas. Really?? Pois, estão mais tempo acordadas e a viver a vida com certeza. Mas porque não explicam porquê ou que tipo de amostra usaram? Hmm? Talvez aqueles que dormem mais são individuos com depressão que não conseguem sair da cama até ao dia em que dão um tiro na cabeça, acabando por viver menos que os outros, ora pois...
Deixando para lá os bitáites.  Como andei a pesquisar sobre isto, li algumas coisas deveras interessantes que ajudam a desvalorizar o tema, tais quais assim por alto:

- as insónias não nos enfraquecem o metabolismo/organismo (pelo menos não a curto-prazo);
- ao contrário do que dizem os médicos (e as mães), dormir oito horas não é uma necessidade diária;
- usar o computador, ver TV e ler livros na cama pode causar distúrbio de sono (parece que o cérebro começa a associar o leito a actividades que requeram estar acordado);
- também não é bom usar computador ou ter TV no quarto devido ao mesmo motivo acima mencionado;
- deve-se fazer um pequeno lanche nas três horas antes de dormir;
- alimentos com lactose despertam o sono e devem se possível fazer parte deste "lanche" (um copo de leite, pão com queijo, iogurte natural...);
- não conseguimos dormir porque a mente não pára, e a verdade é que a insónia está literalmente nas nossas cabeças. Está associada a uma redução de níveis do neurotransmissor GABA que tem como tarefa ajudar a abrandar a actividade das células nervosas (basicamente este GABA é um Vítor Gaspar a discursar e as embalar as células e nós precisamos dele);
- e para terminar, são várias as personalidades que tiveram vidas muito produtivas apesar de sofrerem de insónia crónica, como é o caso de Benjamin Franklin, Winston Churchill e Isaac Newton.

Basicamente, quanto mais uma pessoa se preocupa por não dormir, menos chance tem de efectivamente dormir. E não dormir, por vezes também é bom. Tudo faz parte.

E escrever isto deu-me sono.

[edit: "menos chance tem (....)", credo, que estou mesmo a começar a falar à emigrante]

Sem comentários: